quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Poema sobre o Tempo


“Contei meus anos e descobri

Que terei menos tempo para viver do que já tive até agora...

Tenho muito mais passado do que futuro...

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de jabuticabas...

As primeiras, ele chupou displicentemente...

Mas, percebendo que faltam poucas, rói o caroço...

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades...

Inquieto-me com os invejosos tentando destruir quem eles admiram.

Cobiçando seus lugares, talento e sorte...

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas

As pessoas não debatem conteúdo, apenas rótulos...

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos...

Quero a essência... Minha alma tem pressa...

Sem muitas jabuticabas na bacia

Quero viver ao lado de gente humana... muito humana...

Que não foge de sua mortalidade.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade”...



Rubem Alves


Confira mais Poemas no blog da nossa amiga Célia Rangel, acesse: celiarangel.blogspot.com.br

Um comentário:

  1. Esse é um dos poemas que mais admiro na obra de Rubem Alves! Obrigada, Anderson, pelo 'marketing'...
    Abraço.

    ResponderExcluir

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...