domingo, 19 de junho de 2016

Siga-me!

Evangelho Lc 9, 18-24
18Um dia, Jesus orava em particular, estando com Ele apenas os discípulos, perguntou-lhes: «Quem dizem as multidões que Eu sou?» 19Responderam-lhe: «João Batista; outros, Elias; outros, um dos antigos profetas ressuscitado.»20Disse-lhes Ele: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» Pedro tomou a palavra e respondeu: «O Messias de Deus.»21Ele proibiu-lhes formalmente de o dizerem fosse a quem fosse; 22e acrescentou: «O Filho do Homem tem de sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos doutores da Lei, tem de ser morto e, ao terceiro dia, ressuscitar.»23Depois, dirigindo-se a todos, disse: «Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, dia após dia, e siga-me. 24Pois, quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa há-de salvá-la.»
Uma chave de leitura
A passagem de hoje retoma o tema de quem é Jesus. A pergunta foi colocada por João Batista e por Herodes. João pergunta a Jesus: “És tu o que deve vir ou devemos esperar outro?” (Lc 7, 19). Herodes faz a pergunta: “A João decapitei-o eu, mas quem é este homem de quem ouço tais coisas?” (Lc 9, 9). No Evangelho de hoje é o próprio Jesus que pergunta o que pensam as pessoas acerca dele, qual é a opinião pública e a dos apóstolos. Pedro afirma: “Tu és o Messias de Deus”. Imediatamente encontramo-nos com o primeiro anúncio da paixão, morte e ressurreição de Jesus.
Algumas perguntas
Todos acreditamos em Jesus, mas há quem o entenda de uma forma e outros de outra. Qual é hoje o Jesus mais comum segundo o modo de pensar das pessoas?
De que modo a publicidade interfere no meu modo de ver Jesus? O que faço para não cair no círculo da publicidade?
O que nos impede hoje de reconhecer e assumir o projeto de Jesus?
Todos esperavam o Messias, cada um a seu modo. Qual é o Messias que eu espero e que as pessoas esperam hoje?
A condição para seguir Jesus é a cruz. Como reajo perante as cruzes da vida?
Comentário do texto       
Lucas 9, 18: A pergunta de Jesus depois da oração. “Um dia, quando orava em particular, estando com Ele apenas os discípulos, perguntou-lhes: 'Quem dizem as multidões que Eu sou?'”. No Evangelho de Lucas em várias ocasiões importantes e decisivas, Jesus é apresentado a orar: no baptismo, momento em que assume a sua missão (Lc 3, 21); nos 40 dias no deserto, quando vence as tentações do demónio à luz da Palavra de Deus (Lc 4, 1-13); a noite antes de escolher os doze apóstolos (Lc 6, 12); na transfiguração, quando conversava com Moisés e Elias acerca da sua Paixão em Jerusalém (Lc 9, 29); no Jardim das Oliveiras, quando enfrenta a agonia (Lc 22, 39-46); na cruz, quando pede perdão para o soldado (Lc 23, 34) e entrega o seu espírito (Lc 23, 46).
Lucas 9, 19: A opinião do povo acerca de Jesus.Eles responderam: “João Batista, outros Elias, outros um dos antigos profetas que ressuscitou”. Do mesmo modo que Herodes, muitos pensavam que João Baptista ressuscitara em Jesus. Estava espalhada a crença de que Elias retornaria (Mt 17, 10-13; Mc 9, 11-12; Ml 3, 23-24; Sir 18, 15). Respostas insuficientes.
Lucas 9, 20: A pergunta de Jesus aos discípulos.Depois de ouvir as opiniões que estavam espalhadas acerca de si, Jesus pergunta: “E vós quem dizeis que eu sou?”. Pedro respondeu: “O Messias de Deus!”. Pedro reconhece que Jesus é aquele que as pessoas estão à espera e que vem cumprir as promessas. Lucas omite a reacção de Pedro que procura dissuadir Jesus de seguir o caminho da cruz e também omite as duras críticas de Jesus dirigidas a Pedro (Mc 8, 32-33; 16, 22-23).
Lucas 9, 21: A proibição de revelar que Jesus é o Messias de Deus.Jesus ordenou-lhes severamente para que nada fosse mencionado: “Ele proibiu-lhes formalmente de o dizerem fosse a quem fosse”. Porquê esta proibição? Naquele tempo todos esperavam a vinda de Cristo, o Messias de Deus, mas cada um à sua maneira: alguns esperavam um rei, outros um sacerdote, outros um médico, um guerreiro, um juiz, ou um profeta! Ninguém parecia esperar um Messias-Servo, anunciado por Isaías (Is 42, 1-9; 52, 13-53). Quem insiste em manter a ideia de Pedro, quer dizer, a de um Messias glorioso sem a cruz, não entende nada e nunca chegará a assumir a atitude de um verdadeiro discípulo. Continuará a caminhar na obscuridade, como Pedro, confundindo as pessoas com as árvores (cf. Mt 8, 24). Sem a cruz é impossível entender quem é Jesus e o que significa seguir Jesus. Por isso, Jesus voltou a insistir na cruz e mais tarde faz o segundo anúncio da sua paixão, morte e ressurreição.
Lucas 9, 22: O primeiro anúncio da paixão.Jesus começa a ensinar que ele é o Messias-Servo, e diz que como o Messias-Servo anunciado por Isaías, será condenado à morte no cumprimento da sua missão de justiça (Is 49, 4-9; 53, 1-12). Lucas no geral segue o Evangelho de Marcos, mas neste caso omite a reação de Pedro que aconselha Jesus a não pensar no Messias sofredor e omite também a dura resposta: “Vai-te, Satanás! Porque não pensas segundo Deus, mas segundo os homens”. Satanás é uma palavra hebraica que significa acusador, que afasta os outros dos caminhos de Deus. Jesus não permite que Pedro o afaste da sua missão. E Jesus acrescenta: “O Filho do Homem deve sofrer muito e ser rejeitado pelos anciãos, os sumos sacerdotes e os escribas, ser morto e ressuscitar ao terceiro dia”.
Lucas 9, 23-24: O seguimento de Jesus.De imediato diz: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, dia após dia, e siga-me. Pois, quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa há-de salvá-la”. A compreensão plena do seguimento de Jesus não é alcançada através de uma instrução teórica, mas do compromisso prático, caminhando com ele pelo caminho do serviço, desde a Galileia até Jerusalém. O caminho do discipulado é o caminho da entrega pessoal, do abandono, do serviço, da disponibilidade, da aceitação do conflito, sabendo que haverá ressurreição. A cruz não é um incidente mas é parte de um caminho. Porque num mundo organizado na base de princípios egoístas, o amor e o serviço só podem existir crucificados! Quem faz da sua vida um serviço aos outros incomoda os que vivem agarrados aos privilégios e sofre.
Condições para seguir Jesus

Jesus tira conclusões que são válidas até ao dia de hoje: “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz todos os dias e siga-me”. Naquela época a cruz era a pena de morte que o Império Romano impunha aos delinquentes marginais. Tomar a cruz e carregá-la após Jesus era o mesmo que aceitar ser marginalizado pelo sistema injusto que legitimava a injustiça. Era o mesmo que romper com o sistema. Como diz Paulo em Gálatas: “O mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo” (Gal 6,14). A cruz não é fatalismo e muito menos é exigência do Pai. A cruz é o resultado do compromisso livremente aceite por Jesus de revelar a Boa Nova de que Deus é Pai, e que, portanto, todos e todas temos que nos aceitar e tratar como irmãos e irmãs. Devido a este anúncio revolucionário, foi perseguido e não teve medo de dar a sua vida. Não há maior prova de amor do que dar a vida pelos irmãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...