domingo, 22 de maio de 2016

A Santíssima Trindade

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (Jo 16, 12-15) 
12Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender por agora. 13Quando Ele vier, o Espírito da Verdade, há-de guiar-vos para a Verdade completa. Ele não falará por si próprio, mas há-de dar-vos a conhecer quanto ouvir e anunciar-vos o que há-de vir. 14Ele há-de manifestar a minha glória, porque receberá do que é meu e vo-lo dará a conhecer. 15Tudo o que o Pai tem é meu; por isso é que Eu disse: 'Receberá do que é meu e vo-lo dará a conhecer'.»

Reflexão:

Logo de início, é importante inserir esta passagem do Evangelho de São João no seu contexto. As palavras de Jesus em João 16, 12-15 fazem parte da secção que os exegetas chamam “o livro da revelação” (13, 1- 17, 26). Jesus no discurso de despedida, revela a sua profunda intimidade, chama amigos aos seus e promete-lhes o seu Espírito Santo que os acompanhará no acolhimento do mistério da sua Pessoa. Os discípulos são convidados a crescer no amor para com o Mestre, que se oferece totalmente a eles.
Nesta secção há três sequências ou partes bem delimitadas. A primeira compreende os capítulos 13-14 e tem como fio condutor o seguinte tema: a nova comunidade está fundada sobre o mandamento novo do amor. Com as suas instruções Jesus explica que a prática do amor é o itinerário que a comunidade deve percorrer na sua caminhada para o Pai. Na segunda Jesus descreve o rosto da comunidade no meio do mundo. Recorda aos discípulos que a comunidade por Ele fundada desenvolve a sua missão num mundo hostil e somente através da prática do amor é possível o seu crescimento agregando novos membros. Nisto consiste o “dar frutos” por parte da comunidade. Estas são as condições pedidas para um amor fecundo no mundo: estar unidos a Jesus. D'Ele promana a vida – o Espírito (Jo 15, 1-6); a união a Jesus com um amor que responde ao seu, de modo que se estabeleça uma relação de amizade entre Jesus e os seus discípulos (Jo 15, 7-17).
Ainda que a missão da comunidade, do mesmo modo que a de Jesus, se desenvolva no meio do ódio do mundo (Jo 15, 18-25), contudo, os discípulos serão sustentados pelo Espírito (Jo 15, 26-16, 15). Jesus diz-lhes que a missão no mundo comporta dor e alegria e que Ele estará ausente-presente (Jo 16, 16, 23a), mas assegura-lhes o amor do Pai e a vitória sobre o mundo (Jo 16, 23b-33). A terceira parte da secção contém a prece de Jesus: Ele roga pela comunidade do presente (Jo 17, 6-19); pela comunidade futura (Jo 17, 20-23) e manifesta o desejo de que o Pai honre todos os que o reconheceram e, finalmente, que se realize a sua obra no mundo (Jo 17, 24-26).
A voz do Espírito é a voz do próprio Jesus
Anteriormente em João 15, 15 Jesus disse aos seus discípulos o que ouvira ao Pai. Esta mensagem não seria nem poderia ser compreendida pelos seus discípulos em todo o seu alcance. O motivo é que os discípulos desconhecem por agora o significado da morte de Jesus na cruz e a substituição do antigo modo de ser salvo. Com a sua morte abre-se uma nova e definitiva intervenção salvífica na vida da humanidade. Os discípulos compreenderão as palavras e os gestos de Jesus depois da sua ressurreição (Jo 2, 22) ou depois da sua morte (Jo 12, 16). No ensinamento de Jesus há tantas realidades e tantas mensagens que só poderão ser compreendidas pouco a pouco à medida que a comunidade seja colocada diante de novos acontecimentos e circunstâncias; é na vida diária, compreendida à luz da ressurreição, que se poderá compreender o significado da sua morte-exaltação.
Será o Espírito Santo o profeta de Jesus. Ele comunicará aos discípulos o que tiver ouvido d'Ele. Na missão que a comunidade de Jesus realizará, o Espírito Santo comunica-lhe a verdade, no sentido de explicar e ajudar a aplicar o que Jesus é e o que significa como revelação do amor do Pai. Com as suas mensagens proféticas a comunidade dos discípulos não transmite uma nova doutrina, mas propõe continuamente a realidade da pessoa de Jesus, conteúdo do seu testemunho e orientação da sua missão no mundo. A voz do Espírito Santo, que a comunidade perceberá, é a voz do próprio Jesus. No seguimento das pegadas dos profetas do Antigo Testamento, que interpretavam a história à luz da aliança, O Espírito Santo mostra-se determinante para fazer conhecer Jesus dando à comunidade dos crentes a chave para compreender a história como um confronto contínuo entre o que o “mundo” representa e o projeto de Deus. O ponto de partida para ler a própria presença no mundo é a morte-exaltação de Jesus e crescendo sempre mais na sua compreensão, os cristãos poderão descobrir nos acontecimentos diários “o pecado do mundo” e os seus efeitos nocivos.
É determinante o papel do Espírito Santo como intérprete da vida de Jesus na vida dos discípulos: é o seu guia no compromisso a favor do homem. Para obter êxito na sua atividade a favor do homem devem, por um lado, escutar as problemáticas da vida e da história e, por outro, estar atentos à voz do Espírito Santo, única fonte atendível para encontrar o verdadeiro sentido dos acontecimentos históricos no mundo.
A voz do Espírito Santo: o verdadeiro intérprete da história
Depois Jesus explica as modalidades através das quais o Espírito Santo interpreta a vida e a história humana. Antes de tudo manifestando a sua “glória”, o que quer dizer que tomará “do que é meu”. Mais especificamente “do que é meu” quer dizer que o Espírito Santo toma de Jesus a mensagem, tudo o que Ele disse. Manifestar a glória quer dizer manifestar o amor que Ele mostrou na sua morte. Estas palavras de Jesus são muito importantes porque evitam reduzir a acção do Espírito Santo a uma iluminação. O papel do Espírito é a comunicação do amor de Jesus e colocar as palavras de Jesus em sintonia com a sua mensagem, mas também com o sentido mais profundo da sua vida: o amor demonstrado dando a própria vida na cruz. Nisto consiste o papel do Espírito Santo, Espírito de verdade. São dois os aspectos do papel do Espírito Santo que permitem à comunidade dos crentes interpretar a história: escutar a mensagem e penetrar nela e estar em harmonia com o amor. Melhor ainda, as palavras de Jesus pretendem comunicar que só através da comunicação do amor por parte do Espírito Santo é possível conhecer quem é o homem, entender a finalidade da sua vida, e construir um mundo novo. O modelo é sempre o amor de Jesus.
Jesus, o Pai, o Espírito Santo e a comunidade dos crentes (v. 15)
Quando Jesus diz que “tudo o que o Pai tem é meu” o que quer dizer? Primeiro: tudo o que Jesus tem é em comum com o Pai. O primeiro dom do Pai a Jesus foi a sua glória (Jo 1, 14), mais especificamente, o amor fiel, o Espírito (Jo 1, 3; 17, 10). Esta comunicação não deve ser entendida como estática mas dinâmica, quer dizer, contínua e recíproca. Neste sentido o Pai e Jesus são um. Tal comunicação recíproca e constante impregna a actividade de Jesus, o qual pode realizar as obras do Pai e o seu desígnio acerca da criação. Os crentes para serem capazes de entender e interpretar a história são chamados a estar em sintonia com Jesus, aceitando na sua existência a realidade do seu amor e concretizando-o a favor do homem. O plano do Pai que se realizou na vida de Jesus deve realizar-se na comunidade dos crentes e deve orientar o empenhamento dos crentes na promoção da vida dos homens. Quem realiza o plano do Pai na vida de Jesus? É o Espírito Santo, que unindo Jesus ao Pai, realiza e leva ao cumprimento o projecto do Pai e torna a comunidade dos crentes participante desta actividade dinâmica de Jesus: “receberá do que é meu”. A comunidade, graças à acção do Espírito da verdade, escuta-o e comunica-o concretamente como amor.
O Espírito Santo comunica aos discípulos de Jesus toda a verdade e riqueza de Jesus; o lugar em que habita é Jesus; “vem” na comunidade; acolhido, faz da comunidade participante do amor de Jesus.
Palavra para o caminho
Creio em Deus Pai, criador do céu e da terra. Não estamos sós com os nossos problemas e conflitos. Não vivemos esquecidos. Deus é nosso Pai querido. Assim o chamava Jesus e assim o chamamos nós. Ele é a origem e a meta da nossa vida. Criou-nos só por amor, e espera-nos com coração de Pai no final da nossa peregrinação por este mundo. O seu nome é esquecido e renegado por muitos, mas Deus continua a olhar-nos com amor e convida-nos a ser seus filhos adotivos.
Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor. É a grande prenda que Deus deu ao mundo. Ele disse-nos como é o Pai. Olhando-o, vemos o Pai: nos seus gestos captamos a sua ternura e compreensão, a sua amizade e proximidade. Este Jesus, o Filho muito amado do Pai, animou-nos a construir uma vida mais fraterna e feliz para todos. Indicou-nos também o caminho a seguir: “Sede compassivos como é compassivo o vosso Pai celeste”.

Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida. O mistério de Deus não é algo afastado. Está presente no mais profundo de cada um de nós. Podemo-lo captar como Espírito que alenta a nossa vida, como Amor que nos conduz aos que sofrem. Este Espírito é o que há de melhor dentro de nós: torna-nos capazes de amar.

Fonte: http://www.ordem-do-carmo.pt/index.php/lectio-divina.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...