Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2016

Sete conselhos do Papa Francisco para viver bem o ano da misericórdia

Imagem
Deus manifesta seu carinho e cuidado pela criação e por Seus servos. Neste tempo, o Senhor nos enviou um servo muito querido e estimado até pelos não cristãos, Papa Francisco. Ele nos presenteia com seus discursos e reflexões, com uma vida cristã que transborda Jesus e Sua misericórdia.
Que ano é este? O Papa, por inspiração divina, anunciou o Ano da Misericórdia. Mas que ano é esse? Como devemos vivê-lo? Dentre tantos passos apresentados por Francisco na bula Misericordie Vultus (O Rosto da Misericórdia), posso ousar em elencar dez conselhos. Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai 1) Reconhecer a misericórdia do Pai em Jesus é o tema do Ano Santo: “Misericordiosos como o Pai”. Logo no início da bula, Francisco ensina: “Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai”. Mas como imitá-Lo em Sua misericórdia? Por meio do Filho, Jesus, reconhecer a misericórdia do Pai. Com o olhar no Cristo, é possível verificar que Deus é Pai, misericórdia, amor e vida, Ele é Emanuel, o Santo.…

Eis que chegou... E agora?

Imagem
Foi um nascer difícil. Enlameou-se em terras e em caráter. O semblante totalmente recoberto pela desfaçatez. O esperado chegou, enquanto o velho adormecia, Anestesiado pela imoralidade generalizada. Abateu-se o cansaço pela longa espera.
O que fazer, agora, com tudo isso que se abre novo a cada dia? Que não venha com inesperadas soluções fantasiosas... Mas, que nos inspirem a ser mais com menos, Até porque, esse é o ritmo a que estamos habituados.
Tudo novo de novo? Não! Apenas muda um algarismo... Nada mais.
Se eu, você...  nós não formos à luta diária, Nada ou muito pouco se renovará. Rola a pedra – desabamentos, mortes... Rios transbordam –  desalojados, desabrigados... Enxurrada das barragens... Cadê Mariana?
Culpam o El Niño... Será só isso mesmo? Ah! As ações cruéis humanas para com o Planeta! Há um cenário pouco animador... Mas, “andar com fé eu vou... que a fé não costuma faiá...”


Célia Rangel