sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Vocação Matrimônio



É natural que, para alcançar o conhecimento de si mesmo, o ser humano passe por processos. Colher do coração de Deus qual é a nossa identidade, quem somos, qual missão temos nesta vida, onde Deus quer que estejamos e no que nossos dons podem ajudar a humanidade não é possível de uma hora para a outra. Precisamos de uma caminhada processual, de descobertas que se conectam, se complementam e se confirmam nos fatos ordinários da vida e no decorrer de um tempo, formando em nós a maturidade, a intimidade com o Senhor, e, daí então, consequentemente, dando-nos a consciência de si mesmo.
Uma certeza é que ninguém veio a este mundo por acaso; todos temos um específico para cumprir (cf. Eclo 39, 21 – CNBB).
Existe, para cada um de nós, um plano de salvação e uma missão para contribuirmos com a ação de atrair outras almas para Cristo. Sim, você, independente do que faz, de onde faz, é chamado à santidade própria e a colaborar com a salvação de outras pessoas.
Durante a vida, percebemos como isso será feito por meio de dois pontos:
- Nossa Espiritualidade: A vida de oração, as práticas de piedade devem nos mostrar o sentido maior de tudo, a revelação de Deus sobre coisas invisíveis aos olhos humanos. “Todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8,28).
A espiritualidade nos faz enxergar que, até mesmo algo que parece infrutífero no plano natural pode ser uma semente lançada para algo melhor a você ou a outros no futuro. Exemplo: o sacrifício de Cristo, em análise puramente humana, foi somente de um homem que fez o bem e, ao fim, morreu. Para muitos, pareceu um fracasso! Mas, na verdade, foi desse aparente fracasso que veio a salvação para nós.
- Nossa Humanidade: Os dons, as habilidades, os interesses e as aptidões que temos começarão a demonstrar nossa vocação por meio de nossas vontades e pensamentos. Por exemplo: Quando olhamos a história de um jogador de futebol, veremos que ele se encantou com tudo o que envolve esse esporte desde pequeno e, com certeza, era sua brincadeira preferida. Um padre encantava-se com as coisas do altar de forma muito maior que seus amigos desde antes do seminário. Na vontade que tinha de manusear os objetos sagrados, imaginar-se fazendo a homilia e, talvez, ao participar da Missa, detinha-se com pensamentos do tipo: “Eu no lugar desse padre, faria isso e aquilo…”, via seus traços de vocação.
Quanto à vocação ao matrimônio acontece o mesmo. O chamado a este sacramento irá aflorar em nossas vontades e pensamentos.
Dons – Você percebe em si a inclinação para ter amor, afeição, atenção e cuidado com uma pessoa, em especial os esposos e os filhos que virão?
Habilidades – Você se interessa por tarefas que dizem de uma vida de casado como percebe aptidão e bem-estar em realizar serviços de casa? Gosta de reunião de família, tem interesse na missão da família na sociedade, gosta de estar, brincar e ensinar as crianças com as quais, hoje, você tem contato?
Interesse – Quando vê uma casa, um imóvel ou quando vê um eletrodoméstico, uma mobília, você se imagina projetando seu lar ou usando estes objetos? Quando vê uma roupa de criança na vitrine ou roupa do outro sexo na loja, você se imagina presenteando seus filhos e seu cônjuge? Quando aprende algo ou alcança uma realização, você se imagina oferecendo o fruto disso ou o seu melhor para sua futura família?
São em coisas assim, simples, que vamos percebendo a nossa vocação. Deus não é incoerente. Se Ele nos pede algo, é porque, antes, já depositou em nós toda a bagagem que precisaremos. Não pense que o Senhor nos permite ter um forte desejo por uma vocação e nos chamar a outra coisa.
Também, não deixe o medo definir suas escolhas, pois a sua vocação é mais forte que tudo o que você tenha presenciado de infelicidade. Um casamento só não traz felicidade e sentido de vida quando vivido fora do amor do Senhor. “No amor não há temor”. Até podemos passar por tempos de dúvida, mas tenha calma, viva o processo e tudo em você se revelará.
Deus abençoe seu discernimento! Grande abraço!

Sandro Arquejada - Canção Nova

Um comentário:

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...