quinta-feira, 26 de setembro de 2013

A Oração do discípulo




O evangelho do décimo sétimo domingo do Tempo Comum tem para nós que cremos uma importância especial. Relata o momento em que Jesus ensina aos discípulos a oração que hoje em dia continuamos rezando e que nos identifica como discípulos de Jesus: o Pai-Nosso.

É importante destacar o contexto em que o Evangelho situa a oração. É acompanhada de uma catequese em que Jesus ilumina os discípulos sobre a perseverança da oração. Por isso Jesus apresenta a parábola ou a narrativa do senhor que pede pão a seu amigo porque está com uma visita. Ensina-nos também a confiança com a qual devemos rogar a Deus. É por isso que a parábola compara a bondade de um pai dentre os nossos e a do Pai celestial.

Além disso, a Igreja, em sua liturgia, faz com que este evangelho seja precedido pela leitura do Gênesis na qual Abraão intercede diante de Deus pelos habitantes de Sodoma e Gomorra, a quem Deus quer castigar por suas iniqüidades. Aí é que encontramos a chave em que nos podemos fixar neste domingo. A oração apresentada por Jesus não é a de quem pede de forma egoísta por seu próprio bem, mas a de quem intercede por seus irmãos. Abraão participa dessa espécie de leilão às avessas com Deus para buscar uma razão para salvar seus irmãos, os habitantes de Sodoma e Gomorra, do castigo e da morte que se avizinha deles.

No início, Abraão nada tem a ver com isso. Em Sodoma vive um sobrinho seu, mas este será salvo por Deus. Com os demais habitantes das duas cidades Abraão não tem mais nenhum laço, a não ser o fato de eles pertencerem à humanidade. Os habitantes são maus, por isso serão castigados, e Abraão foi escolhido por Deus para ser pai de um povo que será o fiel depositário da promessa. Abraão poderia ter ido embora e não ver o que estava para acontecer. Ou poderia ter comentado com Deus como era necessário, embora fosse triste, tomar decisões radicais para extirpar o mal da sociedade  humana. Mas faz exatamente o contrário. Tenta desesperadamente salvar os que se haviam condenado por suas próprias ações.

E Deus cede a Abraão. A cifra necessária de justos para salvar a cidade cai de 50 para 10 ante a insistência de Abraão.

Algo parecido se pode dizer do Evangelho, quando aquele que vai pedir os pães não faz para si, mas para dar de comer a um amigo que acabara de chegar à casa.

Poderíamos dizer que a chave da oração está no pedido de intercessão: pedir a Deus por nossos irmãos e irmãs. Isso requer uma grande solidariedade. É que realmente somos irmãos e irmãs. Sua morte ou seu fracasso é realmente nossa morte e nosso fracasso. Oremos intercedendo por eles e elas porque, se nós que somos maus, oferecemos coisas boas a nossos filhos, quanto mais o Espírito de vida do Pai do céu que tanto nos ama.

A oração do discípulo deve ser cheia de amor pelos seus semelhantes, porque, como Jesus mesmo mostrou, ninguém será feliz completamente se seu irmão não é feliz.

D. Eurico dos Santos – Arcebispo Emérito de Juiz de Fora - MG

Um comentário:

  1. Belo post, gosto de ler a bíblia, não como religiosa, mas para aprender mais, são livros com histórias incríveis, tenho inclusive alguns poemas a respeito, vou procurar em meus escritos ou em meus blogues, reeditarei, pois gosto muito do tema.
    Linda a oração que Jesus nos ensinou, seguir com fé na vida é mesmo gratificante!
    Abraços!

    ResponderExcluir

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...