domingo, 24 de fevereiro de 2013

Jesus se Transfigura



A Transfiguração do Senhor é a maravilhosa confirmação de que, em Jesus, a condição humana é gloriosa, mesmo que seja vulnerável ao sofrimento e à morte.

No alto da montanha, Cristo quis antecipar a Sua glória àqueles que Ele havia escolhido Pedro, Tiago e João. Também manifesta a sua identidade mais profunda, oculta sob o véu de sua humanidade. A luminosidade de suas vestes manifesta a sua divindade.

O aparecimento de Moisés e Elias conversando com Jesus, correspondem a uma representação da revelação de Deus. Moisés representa “a Lei” e Elias “os Profetas”, o conjunto dos ensinamentos divinos até então oferecidos por Deus a seu Povo. Cristo veio dar cumprimento à Lei e aos Profetas, Ele é a plenitude da revelação.

Pedro sugeriu a Jesus construir: uma tenda para Jesus, outra para Moisés e uma outra para Elias. Considerava-se que uma das características dos tempos messiânicos seria os justos morarem em tendas. No momento em que Pedro ainda estava falando formou-se uma nuvem que os cobriu com a sua sombra. A nuvem «é o sinal da presença de Deus mesmo, ashekináh. A nuvem sobre a tenda do encontro indicava a presença de Deus. Jesus é a tenda sagrada sobre a qual está a nuvem da presença de Deus e a qual cobre agora “com sua sombra” também a outros» (S.S. Bento XVI).

Desta nuvem saiu uma voz que dizia: «Este é o meu Filho muito amado. Escutai-o». É a voz de Deus, a voz do Pai que proclama Jesus Cristo como Filho dele e manda escutá-lo.

Depois de escutarem a voz vinda dos céus, os discípulos ficaram assustados e caíram com o rosto em terra. Jesus pediu aos discípulos que se levantassem e que não tivessem medo.

Ao desceram da montanha, Jesus fez um único pedido aos três discípulos: ‘Não conteis a ninguém esta visão até que o Filho do Homem tenha ressuscitado dos mortos’.

Pela Transfiguração, Jesus preparou os discípulos para não se escandalizarem com a sua Paixão e morte e mostrou-lhes a sua glória e divindade.

A Liturgia da Palavra orienta que a Transfiguração do Senhor aponta para o nosso destino vitorioso. Após termos visto “ brilhar a glória do Senhor”, como os Apóstolos, devemos “descer do monte”, e assumir os desafios próprios de nossa missão, mesmo que implique sofrimento, como foi no caso do Senhor.

Quando passarmos por momentos duros e difíceis, não nos desesperemos: abracemos a Cruz do Senhor, rezemos intensamente e esperemos com paciência o novo nascimento do Sol, o triunfo do Senhor em nossas vidas.



LUZES PARA A VIDA CRISTÃ

Pedro, Tiago e João experimentam algo fascinante, maravilhoso: veem o Senhor transfigurar-se diante de seus olhos, veem-no em todo seu esplendor, percebem a intensa luz que irradia de todo o seu ser, sua Glória, e embora esta intensíssima e tremenda experiência os assuste, maior é a alegria extraordinária que inunda o coração dos apóstolos: «Mestre, bom é estarmos aqui; façamos três tendas.», é como dizer: “Fiquemos aqui para sempre! Queremos que esta felicidade intensa nunca passe!”

Às vezes acontece algo parecido em nosso próprio peregrinar de fé: Deus nos concede em um momento oportuno uma experiência espiritual intensa que gostaríamos que se prolongasse para sempre, que nunca acabasse. Entretanto, experiências como essas não duram para sempre, e às vezes duram só um instante. E assim, logo depois de “ver brilhar a glória do Senhor”, como os Apóstolos, devem “descer do monte”, voltar para a vida cotidiana, à luta às vezes tediosa, à rotina absorvente de cada dia, a suportar fadigas, tentações, dificuldades, provas, adversidades, etc.

Quantos, logo depois de experimentar momentos tão intensos se desalentam na batalha! Quantos pensam em abandonar a luta e jogar para longe de si a cruz que implica a vida cristã porque “já não sentem nada”, porque o caminho se faz encosta acima e “não pensei que me custaria tanto”, porque “já não posso mais”. E no meio destas reflexões e tentações, perdendo a resistência, não dispostos a assumir o esforço e pagar assim o preço necessário para conquistar a eternidade, desconfiando do Senhor e do poder de sua graça, abandonaram covardemente a luta dizendo-se a si mesmos: “Isto não é para mim! Eu não posso!” Mas não só abandonaram o caminho do bem: enganados e fascinados pelo brilho vão que o mundo lhes oferecia, retornaram ao Egito, ali onde “tudo era melhor”, ali onde tudo é mais fácil e mais cômodo, ali onde “há com o que saciar imediatamente a fome e a sede” de infinito que queima suas vísceras. Que ilusão e engano!

E onde ficaram aquelas experiências intensas que o Senhor lhes deu de presente? Foram acaso tão somente uma ilusão e fantasia de momento, uma auto-sugestão, quer dizer, uma mentira? Assim costumam autojustificar-se e enganar-se aqueles que abandonando a luta e apartando seus olhos da eternidade decidem “viver o momento”. Querem substituir com fugazes “experiências extremas”, repetidas uma e outra vez até o cansaço e a saciedade, a profunda e duradoura felicidade que só o Senhor lhes pode dar. Aos que deste modo fogem de seu interior e do Senhor certamente nada mais resta que lançar-se freneticamente a procura de saciar sua fome e sede de infinito com bebedeiras de todo tipo, com sensações fortes, intensas, através do prazer sensual, do poder, do ter, ou através do vício do trabalho, à ação superficial e ininterrupta. Assim, no dia a dia, são como pobres mendigos que procuram saciar-se com migalhas, ou pior ainda, com alimento para porcos, querendo sossegar o grito incontestável de seus corações que clama por um Pão Vivo que sacie sua fome de felicidade, de paz, de autêntica comunhão no amor.


Como é importante valorizar e entesourar aquelas experiências que Deus nos dá de presente em algum momento da vida, experiências às vezes muito intensas, outras muito suaves e singelas, para não sucumbir diante das provas e cruzes que encontraremos no caminho, para não nos deixarmos seduzir pelas miragens que em momentos de deserto espiritual nos convidam a abandonar o caminho do Senhor, o caminho que pela cruz conduz à glória, sugerido-nos “voltar para o Egito”, quer dizer, optar por uma vida mais fácil, mais cômoda e prazenteira, mais “light”, mais ajustada a nossa mediocridade!


Como a transfiguração para os Apóstolos, as experiências intensas que em um momento de nossa vida inundam nosso espírito de uma paz e uma alegria profundas são um presente de Deus para nosso peregrinar, uma tênue antecipação do que Deus nos promete se perseverarmos no caminho que Jesus nos ensina, um firme estímulo para lutar dia a dia pelo que gostamos brevemente mas que ainda nos falta conquistar, aquilo que «os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam.» (1Cor 2, 9). Esses momentos de luz têm que permanecer sempre em nossa cordial memória para nos alentar em todas as nossas lutas, para alimentar nossa esperança e nos sustentar dia a dia na fiel perseverança até o fim.

Assim, pois, nos momentos de prova, nos momentos em que o céu nos pareça nublado, quando a escuridão pareça cobri-lo totalmente e as espessas trevas da dor inundarem sua mente e coração, lembre-se dos momentos de luz, momentos em que o Senhor se mostrou em sua vida com suma claridade. Estas experiências são como o sol: não podemos duvidar de sua existência embora por momentos as nuvens densas o ocultem, e assim, embora não o vejamos por dias, semanas, meses, sabemos que está sempre ali, que está detrás das nuvens ou das tormentas que se interpõem momentaneamente. Quando você passar por esses momentos duros e difíceis, não se desespere: abrace a Cruz do Senhor, reze intensamente e espere com paciência o novo nascimento do Sol, o triunfo do Senhor em sua vida.

Fonte: Site A12

Um comentário:

  1. Levo esse ensinamento: ..."Quando você passar por esses momentos duros e difíceis, não se desespere: abrace a Cruz do Senhor, reze intensamente e espere com paciência o novo nascimento do Sol, o triunfo do Senhor em sua vida".
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...