domingo, 18 de março de 2012

O objeto do amor de Deus é o mundo

Estas palavras de Jesus fazem parte da sua fala no diálogo com Nicodemos, na primeira visita de Jesus a Jerusalém, no evangelho de João. Temos aqui o anúncio fundamental que pervaga o evangelho de João. Deus, no seu grande amor, enviou seu Filho ao mundo, no qual a humanidade é elevada em dignidade e a vida eterna é comunicada a todos que nele crerem.
. O termo "mundo" (kósmos, no grego) é um conceito da cultura helênica, não tendo correspondente na cultura semita. No Novo Testamento tem sentidos diversos. Pode indicar toda a criação, ou a Terra apenas, mas com a centralidade na humanidade. Na criação, Deus viu que tudo era bom. Agora, com imenso amor doa seu Filho, portador da vida eterna, ao mundo. Está em questão a condenação ou a salvação. A salvação, na tradição de Israel, diz respeito ao resgate do castigo e da condenação dos infiéis pecadores (primeira leitura). Com Jesus esta ideia de salvação vai sendo didaticamente substituída pelo anúncio da libertação e do dom da vida eterna. O estar condenado ou não estar condenado é substituído pelas atitudes de não crer ou crer em Jesus, Filho único de Deus. Quem crer em Jesus recebe o dom da vida eterna. Quem não crer, exclui-se deste dom.
O Pai que "entrega" seu Filho ao mundo para que o mundo seja salvo, foi entendido dentro das categorias do judaísmo como oferta sacrifical. Jesus seria sacrificado na cruz nos moldes dos cordeiros no altar do Templo de Jerusalém, ou como Isaac que é levado ao sacrifício por seu pai Abraão. Terrível compreensão! Deus é amor! Seu Filho Jesus não vem para condenar, mas, com seu amor divino, vem, no Espírito Santo, para comunicar a vida aos homens e mulheres. É um renascer para a eternidade, é a ressurreição.
Ao dom de Deus ao mundo seguem-se o crer e o não crer. No evangelho de João o mundo está submisso ao príncipe das trevas. Não é necessário pensar em entidades demoníacas. Trata-se do poder da morte. São os poderosos deste mundo que semeiam a morte em vista de garantir e consolidar suas riquezas, seu poder econômico, militar e ideológico, apelando para contravalores seculares ou religiosos. Os discípulos eram do mundo, mas foram libertados de seu poder e de sua ideologia pela adesão ao projeto de Jesus. Eles são a semente da libertação do mundo. Na solidariedade e na fraternidade promovem a vida, que é dom gratuito de Deus em seu imenso amor (segunda leitura). O crer é a porta para a vida eterna. Crer no nome do Filho é seguir Jesus. É ser portador da misericórdia e da vida ao mundo. Viver o amor no convívio familiar, comunitário e social, desvelando a presença de Deus no mundo. 

José Raimundo Oliva - Paulinas Online

2 comentários:

  1. Olá Anderson, passando para desejar um super domingo de descanso e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  2. A partir da vivência amorosa na família, promovemos nosso amor filial ao Pai, interagindo com a sociedade. União e respeito gera a responsabilidade em nossas ações. Abraço da Célia.

    ResponderExcluir

"Que o caminho seja brando a teus pés,
o vento sopre leve em teus ombros,
Que o sol brilhe cálido sobre sua face,
as chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja,
Deus te guarde na palma de sua mão"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...