segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Um mês da Trajédia de Brumadinho: a oração do Papa


O presidente da CNBB, Card. Sérgio da Rocha, entregou ao Papa Francisco na última sexta-feira o colete utilizado pelos voluntários em Brumadinho. “Que este testemunho de atenção do próprio Papa em relação a Brumadinho motive toda a Igreja no Brasil a ter a mesma solidariedade, a querer sempre mais estar unida aos irmãos e irmãs que ali estão.”
Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Que este testemunho de atenção do próprio Papa em relação a Brumadinho motive toda a Igreja no Brasil a ter a mesma solidariedade, a querer sempre mais estar unida aos irmãos e irmãs que ali estão”: palavras do presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Card. Sérgio da Rocha.

O arcebispo de Brasília teve a oportunidade de entregar ao Papa o colete utilizado por voluntários em Brumadinho. A entrega ocorreu na sexta-feira (22/02), à margem do encontro para a proteção dos menores na Igreja.
Eu recebi este colete quando estive em Brumadinho e foi pedido que eu entregasse ao Papa Francisco. Fiz isso. O Papa expressa a sua solidariedade, a sua oração, acolhendo esta veste com muita atenção. Isto é, o Papa se interessou para saber melhor da própria situação em Brumadinho e expressou sua oração, sua solidariedade. Eu já procurei transmitir isso ao Arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor, à Igreja que está em Belo Horizonte, à Igreja que está em Brumadinho. A Igreja local tem dado um testemunho muito belo de solidariedade, de serviço e nos ensina a todos a sermos solidários com os irmãos que mais sofrem e a permanecer nessa atitude de atenção, de solidariedade e de serviço em relação aos nossos irmãos e irmãs, às famílias que têm sofrido com a tragédia de Brumadinho. Por quê? Com o passar do tempo, corre-se o risco de esquecer as lições de Brumadinho, mas também de não dar a devida atenção às pessoas que ali estão, às famílias que estão sofrendo. Claro, há também a recordação saudosa daqueles que partiram.
Creio que o Papa Francisco ao receber este colete que tem sido utilizado por aqueles que estão servindo lá em Brumadinho, ele nos ajuda a estar mais próximos, porque ele demonstra esta atenção, esta proximidade afetuosa, a sua oração e a sua solidariedade. Que este testemunho de atenção do próprio Papa em relação a Brumadinho motive toda a Igreja no Brasil a ter a mesma solidariedade, a querer sempre mais estar unida aos irmãos e irmãs que ali estão, mas também a oferecer a sua contribuição para que situações como ocorreu lá jamais aconteçam novamente no Brasil.
Tríduo de oração

Passado um mês da tragédia, o número de mortos chega a 176. Os desaparecidos são 134. A Arquidiocese de Belo Horizonte organizou um tríduo de oração, que se conclui esta segunda-feira (25/02) com a celebração da missa na Igreja São Sebastião, Matriz de Brumadinho, presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni d’Aniello.

Fonte: Vatican News

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

"Deus nos ama com o coração e não com as ideias" afirma o Papa Francisco


Durante a Missa celebrada nesta terça-feira, 19 de fevereiro, na Casa Santa Marta, o Papa Francisco assegurou que Deus tem sentimentos, “não é abstrato” nem é apenas ideias, mas “sofre” e este é “o mistério do Senhor”.
Em sua homilia, o Santo Padre convidou a ter um coração semelhante ao de Deus, capaz de se entristecer diante do sofrimento dos mais frágeis, mas sobretudo de ser irmão com os irmãos, pai com os filhos; um coração humano e divino.
“Os sentimentos de Deus, Deus pai que nos ama – e o amor é uma relação – mas é capaz de enraivecer-se, de irritar-se. É Jesus que vem e mostra o caminho para nós, com o sofrimento do coração, tudo.. Mas o nosso Deus tem sentimentos. O nosso Deus nos ama com o coração, não nos ama com as ideias, nos ama com o coração. E quando nos acaricia, nos acaricia com o coração e quando nos repreende, como um bom pai, nos repreende com o coração. Ele sofre mais do que nós”, disse o Papa.
Assim, o Pontífice explicou que “é uma relação de coração a coração, de filho a pai que se abre e se Ele é capaz de sentir dor no seu coração, também nós saremos capazes de sentir dor diante Dele”. “Não é sentimentalismo, esta é a verdade”, assinalou.
“Eu não creio que os nossos tempos sejam melhores do que os tempos do dilúvio, não creio: as calamidades são mais ou menos as mesmas, as vítimas são mais ou menos as mesmas. Pensemos por exemplo nos mais fracos, nas crianças. A quantidade de crianças famintas, de crianças sem educação: não podem crescer em paz. Sem pais porque foram massacrados pelas guerras… Crianças-soldado… Pensemos nessas crianças”.
Por isso, o Papa Francisco exortou a pedir ao Senhor a graça de ter “um coração como o coração de Deus, que se pareça com o coração de Deus”, para ser capazes de compreender, acompanhar e consolar.
“Há a grande calamidade do dilúvio, há a grande calamidade das guerras de hoje, onde a conta da festa é paga pelos mais fracos, os pobres, as crianças, aqueles que não têm recursos para ir avante. Pensemos que o Senhor está entristecido em seu coração e nos aproximemos Dele e digamos: ‘Senhor, olhe essas coisas, eu O compreendo’. Consolemos o Senhor: ‘Eu O compreendo e O acompanho’, acompanho na oração, na intercessão por todas essas calamidades que são fruto do diabo, que quer destruir a obra de Deus”, concluiu.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...